MÉDICO SE RESPONSABILIZA PELO PACIENTE?: Governo declara que não vai recuar sobre orientação para cloroquina ~ Portal do Helvécio Martins

segunda-feira, 25 de maio de 2020

MÉDICO SE RESPONSABILIZA PELO PACIENTE?: Governo declara que não vai recuar sobre orientação para cloroquina

OMS suspendeu testes. Estudo apontou riscos
A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, disse nesta 2ª feira (25.mai.2020) que o governo está “tranquilo e sereno” sobre a orientação para uso da cloroquina associada à azitromicina, mesmo depois da OMS (Organização Mundial da Saúde) anunciar mais cedo a suspensão dos testes com o remédio.
A decisão da OMS seguiu 1 estudo divulgado pela revista The Lancet –uma das mais importantes publicações do mundo na área médica– mostrar os riscos de arritmia cardíaca a partir do uso da cloroquina. Além disso, não foi confirmada a eficácia do tratamento.
A secretária Mayra Pinheiro declarou que a pesquisa “não entra no critério de 1 estudo metodologicamente aceitável para servir de referência para nenhum país –nem para o Brasil.” Isso porque, segundo ela, “não se trata de 1 ensaio clínico, é apenas 1 banco de dados coletados de vários países”.
“Nesses estudos, a forma de seleção dos pacientes onde não havia uma dose padrão, uma duração padrão, uma medicação padrão para que se possa ser considerado 1 ensaio clínico nos faz refutar qualquer possibilidade de citar esse estudo como referência para o Brasil recuar na sua orientação de respeitar a autonomia médica”, afirmou Mayra em entrevista a jornalistas no Palácio do Planalto.
A secretária declarou que “não haverá qualquer modificação” na nota divulgada em 20 de maio, na qual o Ministério da Saúde orienta o uso da medicação. Ela disse, no entanto, que a pasta pode recuar caso fique comprovado que a cloroquina não é eficaz no combate à covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus).
A orientação para o uso da cloroquina tornou-se uma bandeira do presidente Jair Bolsonaro. O ex-ministro Nelson Teich (Saúde) pediu demissão devido à insistência do presidente para a ampliação do uso da medicação. O antecessor de Teich, Luiz Henrique Mandetta, disse que mais pessoas poderiam morrer em casa ao fazer uso do remédio.
Apesar disso, o presidente determinou o aumento da produção de cloroquina e deu sucessivas declarações sobre a medicação. Bolsonaro disse que tem o remédio guardado em casa, caso sua mãe de 93 anos seja infectada e necessitar. O presidente também elogiou médicos que declararam ter usado a cloroquina em seus tratamentos. Por outro lado, criticou o infectologista David Uip, que coordena o combate à covid-19 em São Paulo, Estado governado por João Doria (PSDB) –adversário político de Bolsonaro. Uip foi contaminado pela covid-19 e não disse como se tratou.
Poder 360

0 comentários:

Postar um comentário