Ads 468x60px

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

COMO DOIS BONS AMERICANOS: Obama e Trump se reúnem na Casa Branca para discutir transição

Donald Trump e Barack Obama se reúnem na Casa Branca (Foto: AP Photo/Pablo Martinez Monsivais)

Donald Trump e Barack Obama se reúnem na Casa Branca. Barack Obama, recebeu seu sucessor, Donald Trump, na Casa Branca, nesta quinta-feira (10), para começar as discussões sobre transição de poder. A reunião foi no Salão Oval.
Obama afirmou que conversou sobre diversos assuntos com Trump, incluindo política externa e doméstica, segundo a Reuters. Ele disse que a conversa foi "excelente" e que fará de tudo para que Trump se sinta bem recebido e tenha êxito em seu trabalho. Disse ainda que vai trabalhar para facilitar a transição nos dois meses que ainda tem no comando dos EUA.Após o encontro, os dois fizeram um breve pronunciamento, enquanto posavam para fotos, mas não responderam a perguntas da imprensa.
Já Trump disse que foi uma honra se reunir com o atual presidente. Ele afirmou que tem muito respeito por Obama e que espera trabalhar mais com ele o futuro e pedir conselhos a ele enquanto estiver na presidência. Segundo o magnata, a reunião durou cerca de uma a hora e meia, mais tempo do que o esperado, e ele e Obama discutiram várias situações, incluindo algumas dificuldades.
Transição de sucesso
Na terça-feira (8), Obama havia afirmado que instruiu sua equipe a garantir uma transição de sucesso para o próximo presidente. Obama afirmou que "não é segredo" que ele e Trump têm diferenças significativas, mas disse que o felicitou e o convidou para essa reunião na Casa Branca.
Obama e Trump praticamente não tiveram nenhum contato prévio. Ao longo da campanha, Trump liderou o movimento que questionou a cidadania norte-americana de Obama e prometeu reverter as políticas que se tornaram a marca registrada do democrata depois que assumir o cargo em 20 de janeiro.
Obama participou ativamente da campanha da democrata Hillary Clinton, fazendo discursos e mesmo criticando o republicano. Ele chegou a classificar o bilionário como temperamentalmente inepto para a presidência e perigosamente despreparado para ter acesso aos códigos nucleares norte-americanos.
A chefe da campanha de Trump, Kellyanne Conway, disse na quarta-feira que Obama telefonou para Trump logo após a vitória.
O secretário de imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, já havia dito a jornalistas na semana passada, a bordo do avião presidencial Air Forte One, que o presidente tinha sua agenda vaga nesta quarta e quinta para uma possível reunião com o eleito.
japão
Donald Trump terá uma agenda movimentada durante a transição. Ele se reunirá com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. Em princípio, a reunião acontecerá na quinta-feira (17), na véspera da viagem do chefe de Governo nipônico ao Peru para uma encontro de cúpula do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC).Durante a campanha eleitoral, Trump irritou o Japão ao pedir que o país pague mais para manter as forças militares americanas em seu território. Ele chegou a sugerir que o país se transforme em uma potência militar nuclear para proteger-se de um imprevisível vizinho, a Coreia do Norte.
As declarações provocaram indignação no Japão, único país que sofre um ataque com bombas nucleares. Trump também expressou oposição ao Tratado de Livre Comércio Transpacífico respaldado pelo presidente Barack Obama.

México
O presidente do México, Enrique Peña Nieto, disse que combinou um encontro para definir o rumo da relação entre ambos os países. Durante a campanha, Trump prometeu construir um muro separando os países para evitar a entrada de imigrantes ilegais. Ele também chegou a se referir aos mexicanos como traficantes de drogas.

Pena Nieto afirmou que irá discutir uma nova agenda de trabalho com Trump que incluirá questões de segurança. Antes da eleição, o presidente mexicano recebeu críticas da imprensa local por participar de uma reunião com o então candidato republicano.
Votação
resultado da eleição americana foi definido por volta das 5h30 desta quarta-feira. Ao longo da noite, enquanto a apuração avançava, Trump conquistou vitórias surpreendentes em estados-chave, abrindo caminho para a Casa Branca.
Contrariando as sondagens, Michigan, Wisconsin e Pensilvânia votaram em um republicano pela primeira vez desde os anos 1980. Juntos, esses estados têm 46 delegados.
Além disso, Hillary perdeu em Flórida, Carolina do Norte e Ohio, que são alguns dos chamados "swing states" – que têm grande número de delegados no colégio eleitoral e onde, historicamente, não há favorito. Quase sempre, eles são decisivos nas eleições americanas. A Flórida tem 29 delegados, Ohio tem 18, e Carolina do Norte, 15. O candidato precisa ter 270 delegados para ser eleito presidente.
Para ganhar a eleição, os democratas contavam com votos dos estados do Centro-Oeste, como Iowa, Ohio e Wisconsin, por causa do tradicional apoio dos negros e dos trabalhadores brancos. Mas muitos dos brancos dessa região, especialmente sem formação universitária, decidiram votar em Trump.
A importância desse grupo para os democratas tinha sido subestimada em projeções feitas antes do pleito, segundo o jornal "The New York Times". Analistas dizem o apoio desses trabalhadores a Obama já tinha sido menor em 2012, principalmente pelo receio de perder o emprego para outros países.
Os trabalhadores rurais de estados centrais e do Norte também escolheram em peso o republicano e fizeram diferença no resultado.
G1
 

0 comentários:

Postar um comentário