Ads 468x60px

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Virgílio sonhou Cid destravou e Camilo executou: Siderúrgica do Pecém inicia exportação de placas de aço

São 20 mil toneladas: Produtos já começaram a ser enviados ao Porto do Pecém e irão embarcar para Itália e Turquia em agosto.

A Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) deu mais um passo rumo ao início de sua operação comercial plena, prevista para este semestre. Na manhã de ontem (25), foi enviada a primeira placa de aço para o Porto do Pecém destinada à exportação comercial. O produto faz parte de uma encomenda de 20 mil toneladas de placas de aço, e os transportes para o terminal portuário irão continuar a partir da próxima segunda­feira (1º). 

O embarque da carga, em direção à Turquia e Itália, será realizado até o fim da primeira quinzena do próximo mês. Rodovia para a CSP só ficará pronta em 2017 A primeira carga comercial foi encomenda pela Dongkuk ­ uma das sócias da CSP ­e será transportada pela CE­155, por meio de 16 carretas. Não foi especificado para qual tipo de produto e qual fabricante irá receber as primeiras placas de aço. As próximas exportações, que ainda estão sem datas definidas, serão destinadas à Europa, Ásia, África e Estados Unidos. A segunda encomenda atenderá à demanda de outra sócio da CSP, a sul­coreana Posco. Produção A Siderúrgica iniciou a produção de placas há pouco mais de um mês, no dia 20 de junho, e segue em fase de testes e ajustes. 
O começo das atividades aconteceu após a conclusão e o início das operações da aciaria, última planta do empreendimento no processo produtivo. Na fabricação do aço, a aciaria transforma ferro­gusa em aço líquido. No fim desse setor, há um segmento chamado de lingotamento contínuo, onde o líquido é moldado e transformado em placas. Desde o começo da fabricações, em junho, a CSP já produziu 68 mil toneladas do produto final. Toda a produção será voltada aos sócios do empreendimento, (Vale, Dongkuk e Posco), que serão responsáveis por definir os tipos de aço e a quantidades das encomendas conforme suas respectivas necessidades. A produção será voltada para a geração de produtos laminados para a indústria naval, de óleo & gás, automotiva e construção civil. A CSP afirma que adota "tecnologia de ponta" para a produção e fabrica cerca de 60% de aços de baixo e médio teor de carbono. 

O restante é distribuído entre aços HSLA, API, ultrabaixo e alto carbono. A Siderúrgica salienta que atender a padrões. Com relação aos impactos ambientais provocados pela produção, a CSP diz que emprega tecnologias para garantir "a produção de aço com baixo teor de enxofre e com redução de gases, principalmente de hidrogênio e nitrogênio". A Siderúrgica diz ainda que investiu R$ 1 bilhão na aquisição de equipamentos e processos voltados à preservação do meio ambiente. "As emissões atmosféricas durante a operação serão até 50% menores do que os limites estabelecidos na legislação ambiental brasileira. Estima­se que 97% dos resíduos sólidos serão reaproveitados, índice maior do que os 95% da siderurgia nacional", diz a CSP, em nota. Impactos Nesta primeira fase, a CSP terá capacidade para produzir até 3 milhões de toneladas de placas de aço por ano, gerando 2,8 mil empregos diretos, 1,2 mil terceirizados e 12 mil indiretos. Durante a fase de construção, o empreendimento empregou mais de 45 mil trabalhadores. 

A Siderúrgica projeta que as atividades de produção gerem um incremento no Produto Interno Bruto (PIB) Industrial do Estado de 48% e no PIB total do Ceará em 12%. Os impactos econômicos da operação da CSP, devem superar as atividades do próprio empreendimento. As demandas geradas com a operação da Siderúrgica têm potencial para atrair 100 empresas atuantes em nichos de mercado especializados para o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), que devem totalizar aportes de R$ 3 bilhões nos próximos dez anos. A previsão foi concedida pelo consultor empresarial Durval Vieira, que foi contratado para auxiliar na implementação da siderúrgica. O consultor projeta a instalação na área de empresas com atuação nos segmentos de equipamentos de proteção individual, segurança do trabalho, treinamentos especializados e pintura industrial. Companhia Siderúrgica Localizada na Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Ceará. Um investimento de US$ 5,4 bilhões, a CSP é uma joint­venture entre a brasileira Vale (50%), maior mineradora do mundo em minério de ferro, e as sul­coreanas Dongkuk (30%), maior compradora global de placas de aço, e Posco (20%), quinta maior siderúrgica do mundo.

Diário do Nordeste

Portal do Helvecio

0 comentários:

Postar um comentário