Ads 468x60px

domingo, 5 de junho de 2016

O passado que condena: Pelaes nao começou e pode ser demitida nessa segunda-feira



A secretária nacional de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes, poderá ser demitida antes mesmo de ser empossada no cargo. A nomeação dela foi publicada no Diário Oficial de sexta-feira, dia 3, mas a posse poderá ser suspensa. Segundo um assessor, o motivo é o "conjunto da obra"  diante do debate sobre a legislação sobre o aborto e também pelo fato de ela ser investigada pelo Ministério Público no âmbito da chamada Operação Voucher.

Fátima Pelaes se declarou contra o aborto, mesmo em caso de estupro  o que é permitido pela lei brasileira  e provocou reação de movimentos feministas. Além disso, é investigada na Operação Voucher porque destinou R$ 4 milhões de uma emenda parlamentar para uma ONG vinculada à área de turismo, onde trabalhava uma sobrinha. A investigação ainda não teve desfecho.

Para o governo, a indicação de Fátima Pelaes, que decorre de indicação da bancada feminina do PMDB, gerou polêmica e, segundo um auxiliar, "não se sustentou". Por isso, ela deve ser substituída, mas somente depois de nova conversa com a bancada feminina.

Mais este recuo não preocupa o governo. Segundo auxiliares, Temer já passou a ideia de que não teme recuar diante de erro. Por isso mesmo, ele próprio, em discurso no Palácio do Planalto, citou Juscelino Kubistchek para dizer que "não tem compromisso com o erro" e, por isso, voltará atrás sempre que uma decisão se mostrar equivocada. 

Nesta segunda-feira (6), Michel Temer deve decidir também se mantém ou não o advogado-geral da União, Fábio Medina Osório. O ministro Dias Tóffoli concedeu liminar a Ricardo Melo, determinando sua volta ao posto de presidente da EBC porque não teria sido feita a defesa do governo Temer na nomeação do jornalista Laerte Rímoli para o mesmo posto.

Portal do Helvecio

0 comentários:

Postar um comentário