Ads 468x60px

domingo, 22 de maio de 2016

DUAS MORTES: Após rebeliões, visitas a presos são suspensas em presídios no Ceará


A Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) suspendeu as visitas aos presos neste domingo (22) nas unidades prisionais do Ceará que registraram rebeliões durante a greve dos agentes penitenciários, ocorrida no sábado (21). Além das rebeliões, o órgão confirmou a morte de 2 detentos durante os conflitos.
As visitas foram suspensas Unidade Prisional Desembargador Adalberto de Oliveira Barros Leal (UPDAOBL), em Caucaia, e na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinho (CPPL II), Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Jucá Neto (CPPL III) e Casa de Privação Provisória de Liberdade Elias Alves da Silva (CPPL IV), localizadas em taitinga, Região Metropolitana de Fortaleza.
O Departamento de Arquitetura e Engenharia (DAE) foi enviado aos locais para avaliar os prejuízos e os danos ao patrimônio. Durante as rebeliões os detentos quebraram cadeiras, grades, armários e queimaram colchões nos presídios.
Conforme a Sejus, o departamento irá contabilizar os estragos nestas unidades para que em seguida sejam iniciados os reparos. A pasta avaliou que rebeliões de "porte importante" aconteceram na CPPL I, II, II e IV, e no presídio feminino foi de "pequena monta". A Secretaria da Justiça realiza uma operação para para apurar os fatos.
Agentes retornam após greve
Neste domingo os agentes penitenciários retornaram ao trabalho após o fim da greve que durou cerca de 12h. A categoria aceitou a proposta de reajuste na Gratificação por Atividades e Riscos (Gaer), que era de 60%, para 100%. O reajuste será pago de forma escalonada: 10% em fevereiro de 2017, 10% em janeiro de 2018 e 20% em novembro de 2018.

De acordo com o Sindasp, outros pontos não foram acatados, mas a categoria espera que haja mudanças no projeto de lei que permite que policiais militares e agentes penitenciários de folga possam trabalhar para o estado e ganhar hora extra.
O sindicato marcou para segunda-feira (22) uma avaliação do movimento e quer apresentar documentos sobre a negociação com o governo, com objetivo de mostrar que esteve disposta a negociar.
O titular da Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará (Sejus), Hélio Leitão, criticou a decisão de greve dos agentes, defendendo que o estado não se negou a negociar com os profissionais. "O processo de negociação com a categoria dos agentes estava em franco curso. Decretaram o estado de greve mesmo assim, formulamos outra proposta, que veio a a ser rejeitada pela categoria", declarou.
Ministério Público apura
O procurador-geral de Justiça, Plácido Barroso Rios, determinou a instauração de procedimento investigatório, no início da tarde deste sábado, para apurar autoria e responsabilidades dos crimes de homicídio e danos ao patrimônio público no sistema penitenciário do Ceará. Segundo o Ministério Público, aconteceram "uma série de rebeliões".
G1/Portal do Helvecio

0 comentários:

Postar um comentário