Ads 468x60px

quinta-feira, 17 de março de 2016

Mesmo com preço mais caro, falta milho na Conab



Com a falta da pastagem nativa, o Interior apresenta uma demanda não atendida pelo milho com fins de alimento para o rebanho 
Os produtores rurais reclamam da falta de milho nos armazéns da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), no Interior do Ceará. O veranico que castigou o sertão cearense em fevereiro passado matou a pastagem nativa e frustrou a safra de grãos. A reserva alimentar dos produtores rurais está cada vez mais escassa. Há uma forte demanda por grão para alimentar o rebanho.
Diariamente, produtores rurais chegam aos armazéns da Conab nas cidades de Crateús, Icó, Iguatu, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Senador Pompeu, Sobral e Russas em busca do milho comercializado pelo programa Venda Balcão. Há duas queixas: escassez do produto e o aumento do preço da saca de 60 quilos que passou a ser vendida por R$ 52,00. Somente agora que as unidades começam a receber a primeira remessa de 11 mil toneladas neste ano.
Expectativas
É uma quantidade insuficiente para atender a demanda. O consumo mensal é de 20 mil toneladas. E o pior: é provável que essa primeira operação de transporte somente seja concluída em três meses.
É preciso haver deliberação do Conselho Interministerial de Estoque Público, que inclui representantes dos Ministérios da Agricultura e Pecuária, Desenvolvimento Agrário, Casa Civil, Orçamento Geral e da Fazenda para portaria de aquisição de mais toneladas de milho. "Dependemos de uma decisão administrativa", disse o superintendente da Conab, no Ceará, Agenor Pereira. O descompasso entre a oferta e a demanda é enorme. Esse total de 11 mil toneladas que começa a chegar ao Ceará terá de atender os criadores por três meses ou mais. "Para esse período seriam necessários no mínimo 60 mil toneladas", observa o presidente do Sindicato Rural de Quixeramobim, Cirilo Pimenta.
A Federação da Agricultura do Estado do Ceará (Faec) desde 2012, quando começou o atual ciclo de seca no Estado, critica o atraso e a pouca quantidade de milho para atender a demanda que se expandiu consideravelmente. "Antes de 2012 havia somente 2300 produtores cadastrados no programa Venda Balcão, mas saltou para mais de 50 mil criadores", observou Agenor Pereira. Até 2014, o preço do milho era subsidiado pelo governo federal e vendida por R$ 18,12, a saca de 60kg, em 2012. Depois subiu para R$ 24,00, chegou a R$ 43,00, passou para R$ 48,00 e agora está em R$ 52,00.

Portal do Helvecio

0 comentários:

Postar um comentário