Ads 468x60px

domingo, 13 de dezembro de 2015

Perdão e Paz: Igreja se reconcilia com Padre Cícero anuncia Bispo Fernando Pânico


O maior desejo do Padre Cícero foi finalmente realizado hoje com a divulgação oficial pelo Bispo Dom Fernando Pânico, durante a Celebração da Missa na Sé Catedral de Crato, em regozijo pela passagem do Ano Santo (ou Jubileu) e Abertura da Porta Santa da Catedral do Crato do decreto de reconciliação da Igreja com o Padre Cícero. Isso é mais do que reabilitação. É perdão mesmo!

De acordo com o documento divulgado, Padre Cícero, está oficialmente anistiado de todas as punições que lhe foram impostas pelo Bispo e o Papa da época. E não é só, o decreto assinado além de também exaltar as qualidades sacerdotais do Pai da Nação Romeira põe fim ao martírio atroz que o perseguiu durante toda a sua vida e se estendeu até mesmo depois da sua morte, porquanto os seus detratores continuaram vilipendiado sua memória, tripudiando sobre seu cadáver e propagando inverdades as quais o colocavam como um ser monstruoso, um padre que deveria ser abolido da lista do clero e apagado para sempre da memória coletiva.

Ledo engano, porque, agora, com a existência desse novo decreto em que a Igreja se reconcilia com o Padre Cícero, quem ousar falar mal dele, apresentando-o como herege e embusteiro, estará simplesmente fazendo papel de ignorante ou despeitado, pois nenhuma dessas acusações, antes aceitas pela Igreja, faz mais sentido doravante.

A partir de hoje – como está explícito nos termos do decreto - a Igreja reconhece oficialmente o filho mais ilustre de Crato e o fundador de Juazeiro como um sacerdote íntegro, virtuoso, um exemplo a ser seguido pelas suas decantadas e autênticas virtudes. Por isso, Juazeiro e toda a Nação Romeira estão em festa, exaltando o tão esperado evento, com certeza um dos mais significativos da biografia do Padre Cícero.

Estão assim compensadas todas as orações feitas pelos devotos e os esforços empreendidos pelo bispo, os membros da comissão que elaborou o projeto de pedido de reconciliação, os padres e as autoridades em geral que formaram uma verdadeira corrente de fé em prol da consecução do objetivo, o maior desejo do Padre Cícero.

No céu, com certeza, ele está comemorando a vitória junto com seus amigos que estão lá. O professor José Marrocos, então, deve estar vibrando tanto quanto o Padre Cícero.

Agora, dos inimigos do Padre Cícero se espera apenas que tenham a hombridade de aceitar pacificamente a decisão do Vaticano, a qual foi promulgada competentemente após exaustiva apreciação da vasta documentação que de tão bem feita e esclarecedora, terminou convencendo os cardeais do colegiado e direcionando-os para o verdadeiro caminho da conclusão, que não foi outra senão o da reconciliação.

Finalmente a biografia do Padre Cícero está como ele desejava, à altura da Igreja que tanto amou e da religião que professou e foi um dos seus grandes propagadores no Nordeste. Sua memória não pode mais ser vilipendiada pelos inimigos gratuitos. Todos os seus devotos e admiradores estão verdadeiramente felizes porque ele é mesmo como acreditavam: um padre virtuoso, incapaz de praticar qualquer veleidade contra a sua Igreja.

Afinal, depois de mais de dez anos o tão esperado decreto da reconciliação chegou, deixando o Padre Cícero em paz com a sua Igreja para júbilo de toda a Nação Romeira. Portanto, hoje é dia de festa, vamos comemorar! Parabéns, Padre Cícero. Obrigado, Papa Francisco. Obrigado, D. Fernando. E agora, vamos todos cantar: “Viva meu Padim, viva meu Padim, Ciço Romão!”


Helvecio Martins

0 comentários:

Postar um comentário